Home Poesia Prosa Traduções Colaborações Arquivo Contatos

Bem-vindo à homepage de Renato Suttana.

 

TREÊS POEMAS DE ANNA AKHMÁTOVA

 

 

SENTENÇA

 

No meu peito uma palavra

de pedra veio cair.

Que nada! Pronta eu estava.

Sou capaz de resistir.

 

Hoje há muito que fazer:

devo matar a lembrança,

à alma dar pedra, substância,

e reaprender a viver.

 

Ou... O verão, farfalhando,

entra pela gelosia.

Venho há muito suspeitando

luz diurna, casa vazia.

 

 

 

MUSA

 

Quando à noite eu espero a sua vinda,

numa balança a minha vida pende.

Que é a honra, a liberdade, a juventude?

Fumo que de um cachimbo se desprende.

 

Veio, jogando o manto para trás,

e uma atenção cordial me concedeu.

“Foste – eu lhe disse – quem ditou a Dante

as páginas do Inferno?” E ela: “Fui eu.”

 

 

 

MÚSICA

 

Há nela uma fulgência milagrosa,

cujas facetas sempre me encantaram.

Foi a única a falar-me, corajosa,

quando os outros, medrosos, se afastaram.

 

Depois que se desviou o último olhar,

no túmulo ao meu lado ela cantava

como a primeira chuva que o chão lava,

ou mil flores num campo a conversar.

 

 

(Traduções de Renato Suttana)

 

 

Retorna ao topo da página